Os melhores resultados nunca surgem por acaso. Eles são fruto de pensamento estratégico, esforço contínuo e ações inteligentes!
Fica a dica! 😉

Anúncios

Dado x Informação x Conhecimento x Competência

Dado é algo puramente sintático, sem significação alguma. Pode ser expresso com símbolos quantificados ou quantificáveis. Pode ser uma sequência de letras ou números, uma foto, um vídeo ou um texto. Trata-se de uma representação estrutural que pode ser armazenada em um computador e processado pelo mesmo, uma vez que o processamento de dados realizado por um computador nada mais é do que uma manipulação estrutural de dados inseridos no sistema através de linguagens e programas.

            Diferente do dado, uma informação não pode ser processada através de um computador. Isto acontece porque a informação é algo mais subjetivo, que traz consigo um significado, baseada ou não em um dado. O dado é puramente sintático. A informação tem semântica, ou seja, tem um significado próprio, diferente para cada pessoa, adquirido através de percepção, análise ou vivência. Algumas vezes um dado pode ser concebido como informação por um indivíduo, mas uma informação nunca será concebida como um dado por um computador, por exemplo. A informação pode até ser descrita através de dados, mas ela perde todo o significado quando desmembrada em dados e aí passa a ser apenas dado e não mais informação, pois não detém mais um significado.

            O conhecimento abrange uma esfera ainda mais abstrata pois depende muito das informações obtidas e, principalmente, da experimentação destas informações. Não existe conhecimento sem vivência, sem experimentação. Podemos dizer, desta forma, que a informação é uma espécie de saber teórico ou prático. Já o conhecimento é sempre um saber prático, pois ele foi vivenciado, testado e experimentado, independente das informações ou dados que lhe compõem. Muitas vezes o conhecimento surge antes do dado, através das situações vividas. E só depois é que o indivíduo passa então a transformar esse conhecimento em informação e pode então desmembrá-lo em dado.

            A competência pode ser então descrita como a capacidade que um indivíduo possui de utilizar todo o seu conhecimento, suas informações e por que não dizer todos os dados que o cercam. A competência representa a aplicabilidade do conhecimento. Uma pessoa não pode ser competente sem fazer nada. A competência exige, por si só, a execução de uma tarefa, uma atividade que comprove o conhecimento adquirido. Desta forma, torna-se difícil comparar competências entre os indivíduos pois a competência não é algo que pode ser mensurado, planificado e medido através de modelos e padrões. A competência é sempre algo subjetivo, de difícil compreensão, mas que pode, de certa forma, ser verificada, embora não possa ser mensurada. Podemos analisar se uma pessoa é competente ou não com base nos seus feitos, não apenas com base em suas palavras e nas informações que explana. Têm-se, assim, que conhecimento e competência são coisas diferentes, uma vez que o conhecimento não pode ser facilmente verificado ou explicitado, enquanto a competência é a exibição do conhecimento e da habilidade do indivíduo, com base na aplicabilidade do assunto em questão.

            De maneira geral, podemos classificar os conceitos da seguinte forma:

  • dado: objetivo (pode estar descrito sistematicamente, através de símbolos ou códigos);
  • informação: objetiva-subjetiva (apesar de poder ser descrita, exige que o conteúdo represente algum significado para o indivíduo);
  • conhecimento: subjetivo (é difícil descrevê-lo, pois envolve uma série de sensações e percepções de caráter subjetivo para o indivíduo);
  • competência: subjetiva-objetiva (apesar de seu caráter subjetivo, ela pode ser de alguma forma demonstrada e compreendida por outro indivíduo).

 

FONTE:

Setzer, Valdemar W. Dado, Informação, Conhecimento e Competência. Disponível em: <http://www.ime.usp.br/~vwsetzer/dado-info.html&gt;. Acesso em 18 mar. 2013.

As diferenças entre o ignorante e o inteligente

Acabei de ver a seguinte frase na internet:

Pessoas ignorantes são mais propensas a acreditar que são brilhantes, enquanto as pessoas inteligentes são mais propensas a subestimar-se.

Pois é! Que frase interessante… Fiquei pensando nela por alguns minutos antes de resolver escrever um post sobre o tema.

A verdade é que conheço tanta gente medíocre e com um ego tão inflado, que às vezes fico mesmo me questionando se essa pessoa é realmente tão brilhante como ela pensa que é e eu não estou enxergando isso ou se ela é apenas uma pessoa que trabalhou sua autoestima exageradamente. E, por incrível que pareça, quase todos os dias fico pensando sobre este assunto…

Será que eu sou chata demais a ponto de não enxergar certas coisas em algumas pessoas? Ou será que algumas pessoas estão superestimando suas capacidades?

No meu ponto de vista, a pessoa competente não espalha por aí suas competências. Ela simplesmente age, ela mostra ao mundo a que veio. Ela não vive de palavras que espalhou ao vento, propaganda falsa de si mesma! A pessoa realmente competente muitas vezes é aquela pessoa que está quieta no canto dela, apenas observando e analisando. Nunca duvide destas pessoas! Dê a elas a oportunidade e você poderá ver sua competência. Afinal, a competência exige ação. Do contrário, não é competência. É marketing pessoal. O próprio significado da palavra competência exige que a habilidade seja exibida e colocada em prática. Portanto, aquele cara que vive falando muito das habilidades que ele tem, muito provavelmente, não tem competência alguma pois ele se baseia apenas em palavras, não tem ações de competência para firmar seus argumentos.

A única parte ruim desta história é que em quase todas as empresas existem chefes que se deixam levar por esta conversa frívola, acreditando mesmo que aquele cara que vende sua inteligência em palavras pobres é realmente O cara. Já reparou a quantidade de imbecis que se destacam nas empresas e ganham promoções com tremenda facilidade? Isto talvez seja fruto da própria falta de inteligência por parte do gestor que acha que falar demais é sinal de competência.

Se por um lado os competentes às vezes estão enclausurados em funções onde não podem demonstrar suas melhores habilidades, os faladores estão ganhando funções que exigirão deles competências e habilidades que não possuem. Algumas pessoas estão se baseando em palavras, construindo sua imagem em discursos fajutos e bajulados, cheios de fatos irreais e histórias não comprovadas, apenas palavras, palavras vazias… O lado bom dessa história é que a própria vida se encarregará de mostrar as reais habilidades do indivíduo e toda a sua ladainha não valerá nada para comprovar sua esperteza.

Se você é uma pessoa assim como eu, que costuma se questionar o tempo todo sobre suas habilidades, então tenho uma boa notícia a lhe dar…Você faz parte de um grupo seleto de pessoas, inteligentes e sensatas, que acham que sempre é possível ir além, melhorar, crescer, aprender e expandir. São as nossas inquietações e nossos padrões que nos obrigam a querer sempre mais. Afinal, se eu tenho uma mente tão fascinante, por que não torná-la cada vez mais brilhante? Por que economizar esforços e passar a vida inteira sem me transformar numa pessoa melhor? Por que não aprender mais se minha mente tem capacidade para saber muito mais do que eu sei?

Pessoas que se consideram inteligentes e brilhantes já têm a sua capacidade limitada simplesmente por pensarem desta forma, adulando a si mesmas, limitando seus potenciais e cercando sua mente com correntes, acreditando numa ilusão que elas mesmas criaram. Que triste deve ser viver assim! Afinal, a inteligência não é algo que pode ser medido por nós mesmos. O critério para se medir a inteligência de alguém sempre está baseado nos padrões de outra pessoa, nunca no seu próprio padrão. O que é inteligência para mim pode não ser inteligência para outra pessoa! Mas o fato de eu achar que eu sou inteligente não faz com que outras pessoas pensem o mesmo de mim…

Pessoas inteligentes são inquietas, nunca estão satisfeitas com o conteúdo de suas mentes e o produto de sua sapiência. Pessoas inteligentes só são inteligentes porque trazem consigo a maior das qualidades, a qualidade fundamental que todo ser humano precisa para poder aprender e desenvolver suas potencialidades: a HUMILDADE!

Seja humilde, quer você seja inteligente ou não. Não faça marketing pessoal baseado em algo irreal. Demonstre sua competência em ações, não em palavras. E, acima de tudo, nunca deixe que ignorantes que se acham brilhantes roubem o seu brilho verdadeiro.