A hierarquia das necessidades de Maslow e a criatividade

A hierarquia das necessidades de Maslow e a criatividade

          A hierarquia das necessidades de Maslow foi desenvolvida por Abraham Maslow e demonstra as necessidades básicas do ser humano dentro de uma pirâmide hierárquica onde as necessidades que estão na base da pirâmide devem ser satisfeitas adequadamente para que depois o indivíduo possa satisfazer as necessidades dos níveis superiores da hierarquia. Sua teoria é amplamente utilizada no meio organizacional para explicar e facilitar a compreensão dos fatores motivacionais dos seres humanos.

 Hierarquia das Necessidades de Maslow

          As necessidades são a iniciativa motivadora da ação de suprir estados de privação humana. O comportamento é motivado pelas necessidades fundamentais, que são divididas basicamente em dois grupos: deficiência (necessidades fisiológicas, de afeto e de estima) e crescimento (auto-desenvolvimento e autorrealização). As necessidades observadas na pirâmide são:

  1. Necessidades fisiológicas: necessidades básicas tais como ar, água, alimento, satisfação sexual, etc;
  2. Necessidades de segurança: abrigo, sensação de segurança, proteção, estabilidade, continuidade, emprego, etc;
  3. Necessidades sociais: o ser humano precisa amar e ser amado, sentir-se aceito na sociedade e no grupo ao qual pertence;
  4. Necessidades de estima (status): necessidade de obter aprovação e reconhecimento por parte de outros;
  5. Necessidades de realização pessoal: o indivíduo procura ser aquilo que ele pode ser, demonstração do seu potencial criativo e suas habilidades, diversão e ócio.

          Para Maslow, “o homem criativo não é o homem comum ao qual se acrescentou algo; o homem criativo é o homem comum do qual nada se tirou.” A criatividade atende ao critério de necessidade de autorrealização, o nível mais alto da pirâmide. Se todas as necessidades anteriores forem supridas, o indivíduo não terá dificuldade em ser criativo. Desta forma, a criatividade passa a ser consideração um fator motivacional para atender a uma necessidade ou para suprir um estado de privação de procedimentos e ações criativas, em substituição a ações anteriormente praticadas.

Opt-Out

Você sabe o que é Opt-Out?

Parece algo complicado, mas, na verdade, é um conceito bem simples de se entender.

Opt-Out é o termo utilizado para descrever o movimento que alguns profissionais fazem para fora da empresa, através de pedidos de demissões, diminuição da carga horária, etc. Trata-se de um “desligamento” (temporário ou definitivo) de suas atividades organizacionais.

Um exemplo disso é uma mãe que abre mão de subir alguns degraus na hierarquia de uma empresa para poder dar mais atenção a seu filho. Outro exemplo seria o de alguém que deixa seu emprego para poder fazer um novo curso ou até mesmo para empreender em um novo ramo de atividade. Simples, né?! Opt-Out é, então, a saída do modelo tradicional e formal de trabalho para um modelo mais flexível ou completamente diferente do anterior.

Achei um artigo interessante sobre Opt-Out e deixo o link aqui, para quem quiser saber mais sobre o assunto:

http://www.aprendervirtual.com.br/noticiaInterna.php?ID=57&IDx=1042

O ponto em questão é: as pessoas hoje se dão conta de que precisam viver socialmente e não apenas trabalhar!

Embora possa parecer um comportamento arriscado ou imprudente, a verdade é que, desligar-se de algumas situações na vida é um ato de coragem muitas vezes necessário. Nem sempre é o dinheiro que traz felicidade! Às vezes se vive melhor com menos, desde que você se sinta feliz com suas escolhas.

Vivemos em um mundo rodeado de incertezas. Quem pode lhe garantir que seu emprego é algo seguro? Ninguém! Vemos pessoas que trabalham uma vida inteira para determinada empresa e, em algum momento, da noite pro dia, são demitidas, sem explicação, sem razão. Ou então, aquele típico caso da pessoa que só pensava em trabalhar e de repente morre, sem ter feito nada para si durante a vida inteira. Então, surge a questão: será que toda a dedicação valeu à pena?

Precisamos valorizar mais nossa vida pessoal, nossos objetivos, nossos sonhos. Precisamos viver!

As empresas já estão se apercebendo deste fato e estão, lentamente, valorizando mais os aspectos humanos de seus funcionários. Muitas empresas já perceberam que a palavra de ordem é FLEXIBILIDADE! As pessoas têm sonhos, têm ambições… E nem sempre podem ter o privilégio de fazer algo por si mesmas. Cabe aos gestores das empresas perceberem isto! E permitirem que seus funcionários sonhem…

Dar tempo a seu funcionário para que ele viva é o melhor presente que você gestor pode dar!

Arrependimentos

“As pessoas podem se vangloriar em alguns momentos de certas conquistas. Mas a verdade é que elas se arrependerão para sempre por aquilo que perderam!”

 

Pense nisso! Não deixe a sua oportunidade escapar pelas mãos… As vitórias chegam e vão. Mas as derrotas podem permanecer para sempre em sua memória, martelando sua mente, para o resto de sua vida. Uma decisão errada e o arrependimento será eterno…