O processo criativo

O processo criativo

          A criatividade dá origem ao processo criativo. Dito de outra forma, a criatividade permite criar algo e este trabalho de criação é chamado de processo criativo. O processo criativo envolve originalidade, criatividade, inovação. Como todo trabalho, o processo criativo requer esforço, tanto físico como mental. O processo produtivo é fundamentado em três princípios mentais: Atenção, Fuga e Movimento:

  • Atenção: serve para concentrar-se no problema ou na situação;
  • Fuga: possibilita ir além dos pensamentos convencionais e fugir dos paradigmas impostos pelo ambiente;
  • Movimento: possibilita exercer a atividade criativa em si, dando asas à imaginação.

          A soma destas três ações mentais resulta no processo criativo, traduzindo-se na atividade criativa. A “engrenagem mental” faz surgir a criatividade através da detecção de uma situação ou problema (atenção). Os pensamentos parecem fugir da realidade já conhecida, buscando novas ideias com base no que já se conhece e tentando, ao mesmo tempo, na direção inversa, romper ideias fixas e rígidas, buscando inovar sempre (fuga). Após a detecção da situação-problema e da fuga das ideias convencionais, o pensamento parece se mover em direção às novas ideias, rompendo as barreiras do medo e da insegurança, projetando a ideia criativa na realidade observada e avaliando os riscos e as inseguranças (movimento).

Processo_Criativo

1. Atenção

          A criatividade só pode ter origem no momento em que algo nos é solicitado, no momento em que algo requer nossa atenção e ação, seja ela imediata ou tardia. As pessoas com maior abertura da mente acabam sendo consideradas mais criativas, por estarem abertas a uma quantidade maior de estímulos e por terem percepção mais aguçada com respeito ao meio que as cerca. A atenção exige concentração e esforço para romper as barreiras da realidade observada e requer trabalho mental aguçado em direção à exploração de novas possibilidades, novas ideias. A atenção possibilita perceber detalhes do que está ou não funcionando no ambiente no qual o indivíduo está inserido, dando impulso ao desejo de explorar novas ideias na busca de soluções criativas. Uma percepção aguçada pode indicar aquilo que é difícil e complicado, aquilo que é muito rápido ou muito devagar, aquilo que é pesado, aquilo que é rígido, aquilo que é instável, aquilo que está separado, aquilo que é inadequado… Fatores negativos chamam a atenção do indivíduo para uma situação-problema. A partir daí o indivíduo busca alternativas para tornar as coisas mais simples e fáceis, mais rápidas, mais leves, mais estáveis, mais homogêneas, mais adequadas às suas necessidades.

          Algumas perguntas podem auxiliar no processo de atenção: O que está acontecendo? Poderia acontecer de modo mais adequado? Poderia ser feito de outra maneira? Onde está acontecendo? Poderia acontecer em outro lugar? Quais as etapas envolvidas no processo? Quem está envolvido? É possível eliminar etapas para simplificar o processo? É possível eliminar pessoas envolvidas para simplificar? É possível envolver mais pessoas para tornar o processo mais rápido? O fluxo é contínuo? O processo é “leve”? É possível facilitar as coisas?

2. Fuga

          Depois de ter dado detida atenção a uma situação-problema, o indivíduo passa pelo processo de fuga mental. É neste momento em que a criatividade parece surgir e fluir no pensamento, como fruto de um extenso processo mental de atenção e identificação de problemas. É neste momento em que a mente parece fugir para um mundo desconhecido, na busca de novas ideias.

          A fuga envolve ir além dos modelos de pensamentos do indivíduo, envolve ir além da realidade observada e dos conceitos aprendidos e aceitos como fixos. Talvez a fuga seja o momento mais difícil do processo criativo, pois é aqui onde se encontram a maioria dos bloqueios que impedem e atrapalham a criatividade. O medo é um componente prejudicial no desenvolvimento da criatividade e na exposição das ideias criativas. Por isso, a fuga é o momento do rompimento de barreiras internas e externas. É neste momento em que o indivíduo tem que ir além dos seus próprios medos e eliminar as barreiras psicológicas que o atrapalham. Neste momento também, o indivíduo tem que romper as barreiras sociais e ambientais que parecem impedir que sua mente encontre soluções e alternativas diferentes das já conhecidas. Hábitos, costumes, medos e rotinas comportamentais e mentais devem ser eliminados neste momento, ou, pelo menos, deixados de lado por um instante, a fim de favorecer o fluxo do pensamento criativo. “Quem deseja desenvolver sua criatividade não pode preocupar-se muito com a aprovação dos outros, pois o consenso sempre rejeita a mudança.” (PREDEBON, 2006, p. 64)

          Os bloqueios são como paredes que limitam o pensamento e impedem o indivíduo de agir e pensar fluentemente em determinadas situações. No processo criativo, os bloqueios devem ser eliminados a todo custo, a fim de favorecer o fluxo mental e possibilitar o surgimento de ideias criativas e adequadas à situação-problema encontrada no processo de atenção. Os bloqueios à criatividade podem ser:

  • Culturais: barreiras que o indivíduo impõe a si mesmo, gerados pela cultura e pelos conceitos aprendidos desde a infância, normalmente comuns à sociedade, cultura ou grupo a que o indivíduo pertence. Estes bloqueios impedem o indivíduo de aceitar o modo de pensar de indivíduos que pertencem a outros grupos ou culturas;
  • Intelectuais e de Comunicação: falta de habilidade para formular e expressar ideias com clareza e falta de habilidade para reconhecer problemas e aprofundar-se neles. Às vezes ocorre por falta de conhecimento sobre o assunto, excesso de especialização, “visão míope” sobre o assunto e incapacidade de enxergar além do observado;
  • Emocionais: desconforto e sensação de mal-estar ao lidar com determinadas situações ou ao enfrentar determinados problemas. Muitas vezes têm origem nos traumas vividos, seja na infância ou na idade adulta. Impedem o indivíduo de se comunicar adequadamente com outras pessoas quando envolve comunicar suas ideias e sentimentos e se caracteriza como medo de correr riscos, medo de parecer tolo ou ridículo na frente de outros, medo de arriscar, dificuldade para resolver problemas, pensamentos negativos e baixa autoestima;
  • Percepção: bloqueios que dificultam a percepção e a visualização de situações-problemas. É caracterizado como uma dificuldade em encontrar soluções para os problemas e como uma dificuldade em enxergar os problemas sob diversos pontos de vista. Ocorre muitas vezes como consequência de ideias fixas e estereotipadas sobre diversas situações ou como resultado de uma sobrecarga de informações e de detalhes que restringem o pensamento;
  • Ambientais e Organizacionais: envolvem condições de trabalho e cultura organizacional. Dentro de uma organização, este é o pior bloqueio à criatividade e à inovação. Isto acontece porque as barreiras organizacionais muitas vezes estão fortemente entrincheiradas na cultura organizacional e no estilo de gestão adotado, criando ambiente não propício para o surgimento de ideias criativas, principalmente quando a estrutura de gestão segue modelos hierárquicos mais fixos e rígidos e a criatividade é vista como perda de tempo e não como ação estratégica no âmbito empresarial;

3. Movimento

          Prestar atenção e fugir dos padrões é o princípio do processo criativo, mas nada acontecerá se não houver o movimento, a ação. O movimento leva a exploração e combinação de novas ideias, gerando novas alternativas, sem perder de vista o propósito do processo criativo. É neste momento em que novas relações são estabelecidas entre ideias distintas e ocorre a livre associação de ideias, explorando o limite da capacidade humana de pensar. Após isso, a criatividade é aplicada e transformada em algo real, compatível com a realidade percebida, em movimento à sua aplicabilidade e operabilidade em relação à situação-problema inicial. É aqui onde se pode ver o resultado do processo criativo, transformado em ideia aplicável. É neste momento que a inovação passa a existir.

Aos mestres, com carinho

Cada professor que passou em minha vida deixou uma marca em mim e contribuiu, de alguma forma, seja ela positiva ou negativa (e não me entendam mal aqui), para formar aquilo que eu sou. Guardo com muito carinho a recordação de cada um deles! É bom às vezes revê-los na rua, alguns já tão velhinhos… Pena que nem sempre temos a oportunidade de agradecer pessoalmente a cada um deles por tudo o que fizeram! Mas eu sei que quando eles nos veem, ainda que alguns já nem lembrem mais o meu nome, eles também se sentem orgulhosos por saber que hoje somos pessoas livres, grandes, capazes, autossuficientes! Eles sabem que nos ajudaram a chegar ali, de alguma forma. E é triste pensar que eles se vão algum dia – e alguns já se foram (e é com lágrimas nos olhos que me lembro o quanto dói saber que alguns já não estão mais aqui). Mas tenho comigo a certeza de que por onde eu for, sempre levarei comigo um pedacinho de cada um, mantendo assim a eternidade e a honra que cada professor mereceu, disseminando os ensinamentos que recebi e que me fizeram ser o que todo professor sonha que seu aluno seja: cidadão do mundo, cidadão do bem!! Hoje e sempre, obrigada por tudo, queridos professores!!

Opt-Out

Você sabe o que é Opt-Out?

Parece algo complicado, mas, na verdade, é um conceito bem simples de se entender.

Opt-Out é o termo utilizado para descrever o movimento que alguns profissionais fazem para fora da empresa, através de pedidos de demissões, diminuição da carga horária, etc. Trata-se de um “desligamento” (temporário ou definitivo) de suas atividades organizacionais.

Um exemplo disso é uma mãe que abre mão de subir alguns degraus na hierarquia de uma empresa para poder dar mais atenção a seu filho. Outro exemplo seria o de alguém que deixa seu emprego para poder fazer um novo curso ou até mesmo para empreender em um novo ramo de atividade. Simples, né?! Opt-Out é, então, a saída do modelo tradicional e formal de trabalho para um modelo mais flexível ou completamente diferente do anterior.

Achei um artigo interessante sobre Opt-Out e deixo o link aqui, para quem quiser saber mais sobre o assunto:

http://www.aprendervirtual.com.br/noticiaInterna.php?ID=57&IDx=1042

O ponto em questão é: as pessoas hoje se dão conta de que precisam viver socialmente e não apenas trabalhar!

Embora possa parecer um comportamento arriscado ou imprudente, a verdade é que, desligar-se de algumas situações na vida é um ato de coragem muitas vezes necessário. Nem sempre é o dinheiro que traz felicidade! Às vezes se vive melhor com menos, desde que você se sinta feliz com suas escolhas.

Vivemos em um mundo rodeado de incertezas. Quem pode lhe garantir que seu emprego é algo seguro? Ninguém! Vemos pessoas que trabalham uma vida inteira para determinada empresa e, em algum momento, da noite pro dia, são demitidas, sem explicação, sem razão. Ou então, aquele típico caso da pessoa que só pensava em trabalhar e de repente morre, sem ter feito nada para si durante a vida inteira. Então, surge a questão: será que toda a dedicação valeu à pena?

Precisamos valorizar mais nossa vida pessoal, nossos objetivos, nossos sonhos. Precisamos viver!

As empresas já estão se apercebendo deste fato e estão, lentamente, valorizando mais os aspectos humanos de seus funcionários. Muitas empresas já perceberam que a palavra de ordem é FLEXIBILIDADE! As pessoas têm sonhos, têm ambições… E nem sempre podem ter o privilégio de fazer algo por si mesmas. Cabe aos gestores das empresas perceberem isto! E permitirem que seus funcionários sonhem…

Dar tempo a seu funcionário para que ele viva é o melhor presente que você gestor pode dar!

Ausente

A todos os leitores do blog, venho aqui relatar alguns motivos de minha ausência. Nas últimas semanas do semestre eu fiquei realmente sobrecarregada com as atividades da pós-graduação e tive que deixar muitas coisas resolvidas pois irei fazer uma cirurgia dentro dos próximos dias. Depois disso, tive minhas 2 semanas merecidíssimas de férias da pós, então resolvi curtir um pouco este tempo e não ligar muito o computador. Parece que eu consegui, né?! Hehehe… Sobre a cirurgia, para quem não sabe, irei realizar uma cirurgia ortognática, que é uma cirurgia para correção da mandíbula e da maxila. Isto deve acontecer nos próximos dias. Na verdade, já estou com a cirurgia agendada, mas uma gripe me acometeu nesta semana e não sei se poderei fazer a cirurgia desta forma.

Em breve estarei postando meus artigos novamente. Fiquem tranquilos!

 

Keep calm and eu voltarei em breve!! rsrs…

 

Mas antes de terminar, uma frase para reflexão:

“De quantos impossíveis a vida é feita? Delimitar suas impossibilidades é escolher voluntariamente o caminho do fracasso!” (Priscilla Ramos)

Fui!

 

O lixeiro e o Neymar

          Nos últimos dias, vimos a população se manifestando, protestando, saindo para as ruas para exigir os seus direitos, para exigir mais dos governantes e para mostrar que já estamos cansados de tanta exploração e abuso social. Mas algo me deixou intrigada! Enquanto uma grande maioria se indignava com o dinheiro gasto na Copa do Mundo, pensei por um momento no exorbitante salário pago aos jogadores de elite, não só em nosso país, mas em tantos outros. E fiquei pensando “Por que ninguém reclama disso também?”.

          Enquanto os professores ganham salários miseráveis, os jogadores de futebol estão ganhando salários milionários, todos os meses, sem formação alguma. Mas contra isso ninguém quer protestar! As pessoas se importam muito com o que o governo faz com o dinheiro público. E acho isso válido! Mas será que não é hora de avaliarmos também a iniciativa privada? O que as empresas privadas fazem com o seu dinheiro? De onde os clubes de futebol tiram tanto dinheiro para manter seus jogadores, cada um com um salário maior do que o outro? Por que não investir uma parte desse dinheiro na população que torce pro time também, não é mesmo? Enquanto o lixeiro, sim, o lixeiro, esse cara aí que passa na frente da sua casa e você nem nota, ganha um único salário mínimo, o Neymar está ganhando milhões de reais por mês e vai ganhar ainda mais agora que vai para a Europa. E o que o Neymar produz para a nossa sociedade além de um cabelo diferente a cada semana e que será imitado por milhares de jovens? Nada! Mas o lixeiro, esse que acabou de passar em frente a sua casa enquanto você não via, levou tudo aquilo que você não queria mais, contribuiu para a sua higiene e para a sua saúde. E se o lixeiro não passasse? E se ele não levasse seu lixo embora? O que você faria?? Seria um caos completo! Mas o lixeiro não está sendo reconhecido. Na verdade, o lixeiro muitas vezes é ignorado! E sabe por quê? Porque ele é lixeiro! Ele tem cheiro de lixo, ele está sempre sujo. Mas ele só está assim para ajudar a mim e a você! Ele pode ser um cara tão inteligente ou até mais inteligente do que você. Mas ele está ali, se submetendo a um trabalho que é considerado indigno pela grande maioria. Mas, na verdade, este é um trabalho sensacional. Registro aqui toda a minha admiração e o meu respeito por aqueles que fazem da minha vida uma vida limpa, uma vida digna e saudável. E digo mais, vocês merecem um salário maior, muito maior. Merecem muito respeito e merecem uma manifestação também! Afinal, vocês produzem para a nossa sociedade muito mais do que muita gente por aí, escondida atrás de livros e belas aparências.

          Realmente é revoltante! Se você é um brasileiro que acha que sabe fazer protesto, acho que já está na hora de você rever os motivos pelos quais você quer protestar. Exija algo que afete sua vida diretamente, que afete a vida de sua família, que afete a vida de seus amigos. Sim, eu tenho um amigo que é lixeiro. E eu gostaria que ele tivesse um salário mais digno, independente de existir a Copa do Mundo ou não. Acho que isso é possível! Mas enquanto isso as pessoas estão preocupadas em saber o que vai acontecer com o Neymar… É de se indignar!

Frase Steve Jobs

“Dinheiro? Não quero ser o cara mais rico do cemitério… Para mim, o que importa é poder dormir sabendo que construímos um bom produto, do qual nos orgulhamos!”

(Steve Jobs)