administração

Filantropia x Responsabilidade Social

Fazer o bem para outra pessoa é algo que já foi moda, mas por um tempo sumiu da mídia, ofuscado por uma avalanche de ideias individualistas e autocentradas, onde as pessoas foram incentivadas a colocar a si mesmas em primeiro lugar e, muitas vezes, desconsiderar a opinião alheia. Porém, a própria solidão do auto centrismo mostrou à humanidade que compartilhar e divulgar o bem faz bem! E foi nessa crescente onda de boas ações que as empresas se viram diante de um dilema: se ganhamos tanto com os lucros obtidos através das vendas de nossos produtos, será que devemos ajudar outras pessoas também?

Algumas empresas começaram a praticar ações isoladas de caridade e ajuda humanitária, como forma de compartilhar parte dos lucros obtidos com os menos favorecidos. E o que era para ser algo discreto e beneficente, tomou rumos de ação de marketing, na medida em que as ações caridosas praticadas pelas empresas podiam ser espalhadas como notícias e incentivos ao consumo por parte dos consumidores que gostariam de ajudar alguém, mas não dispunham dos meios necessários para isso. O ato de comprar e consumir passou então a ter contornos de ação beneficente, na medida em que cada produto era responsável por gerar certa parcela de lucro para a empresa, lucro este que poderia ser revertido em projetos e programas de ajuda para os menos favorecidos. Continue lendo “Filantropia x Responsabilidade Social”

Anúncios
administração

Como a ética (ou a falta dela) afeta os negócios no Brasil

Manifestações contra a corrupção eclodiram Brasil a fora, numa crescente onda de clamores por melhores condições de vida, por uma sociedade mais justa, por um governo que cumpre a palavra “democracia”. Centenas de milhares de pessoas representando milhões de brasileiros, numa tentativa de mostrar que os governantes precisam estar atentos aos anseios do povo. Seria tudo muito interessante e realmente emocionante se não fosse um fato: as mesmas pessoas que clamam por direitos, muitas vezes, deixam de cumprir seus deveres.

Vivemos em um país onde a sonegação de impostos é assustadora. Talvez até muito maior do que os números revelam. Exigir ética do governo é nosso direito e também é um dever. Mas há de se convir que agir de forma ética no cotidiano também é um dever do cidadão. Não adianta clamar por mais dinheiro para educação e saúde pública, quando você, contribuinte, não declara e não recolhe todos os seus impostos. Não vem ao caso aqui o crescente aumento dos escândalos de corrupção e roubos nos cofres públicos. Mas vem ao caso aqui exatamente o comportamento ético e a moral do povo brasileiro. Continue lendo “Como a ética (ou a falta dela) afeta os negócios no Brasil”