Reflexões sobre 2011

REFLEXÕES SOBRE 2011

                 Após passado todo o alvoroço de festas de finais de ano, onde todo mundo sempre lhe deseja o melhor e que todos os seus sonhos se realizem no ano que vai nascer, é hora de voltar à realidade e deixar para trás toda a quimera e o utopismo que esta época do ano produz em nós.

Seria injusto dizer que 2011 não foi um bom ano para mim, pois ele não teve culpa alguma nos problemas que enfrentei. Na verdade, acho muito estranho isso de as pessoas culparem um simples número por eventos ruins que acontecem em sua vida. Que culpa tem o número 2011 de ser 2011? Nenhuma!!

Mas a verdade é que se considerarmos determinado período de tempo (ano, mês, bimestre, trimestre, semestre, ou seja lá o que for), podemos tirar algumas conclusões no que diz respeito às experiências vividas. E, considerando o período de tempo abrangido pelo ano de 2011, posso dizer que realmente não foi um dos melhores da minha vida. Não pelo ano 2011 em si, mas pela sucessão de coisas que aconteceram.

Perdi muitas coisas, perdi muitas pessoas… Tive que abrir mão de sonhos, projetos, desejos, ilusões. Tive que tomar decisões extremamente difíceis e dolorosas, abrir mão de muitas ideias, reformular muitos planos, encarar a derrota! Acreditei em pessoas que não mereceram minha confiança.  Expus meus sentimentos para pessoas que pouco se importavam com isso. Tentei cuidar de pessoas que não valorizaram meus cuidados. Sofri, chorei, lutei… Acima de tudo, lutei! E como lutei!!

Lutei contra tudo, lutei contra todos, lutei contra grandes, lutei contra pequenos, lutei contra pessoas, lutei contra ideias, lutei contra sentimentos, lutei contra o desespero, lutei talvez até mesmo contra a esperança, para mostrar-lhe que já não havia mais nada a ser feito, a não ser desistir.

Eu não sou do tipo de pessoa que faço da minha vida privada uma história pública. Talvez poucos entendam ou saibam do que ou de quem estou falando. Deixo tudo subentendido, nas entrelinhas, sem nomear, sem classificar… Acho que desta forma o meu sofrimento é mais digno! Pois ninguém realmente precisa saber quais são as coisas que eu ganho ou quais são as coisas que eu perco. Ninguém nem sequer precisa saber quando estou sofrendo ou não. Afinal, que culpa as pessoas têm das coisas que acontecem comigo? É fato que muitas pessoas realmente têm culpa sobre muitas coisas ruins que aconteceram comigo, mas eu não as julgo. Cada um age da maneira que acha melhor, da maneira que lhe é conveniente. Se me fez algum mal ou não, bem, talvez a pessoa nem nunca saiba. E se a pessoa sabe que me fez algum mal, eu deixo quieto assim mesmo. Talvez um dia a vida lhe cobre tão caro que não restará outra opção a não ser arrepender-se. Essa é a maravilha da vida! Todas as nossas ações são como sementes de algo que estamos plantando. Em determinado momento estas sementes germinam, crescem e começam a dar frutos… E então é o momento em que cada um vai por fim saber quais são os resultados de seus atos. Por isso é que eu planto sorrisos, mesmo quando meu coração explode de dor. Eu planto alegrias, mesmo quando meu mundo desabou. Eu ofereço sempre o melhor de mim para as pessoas que estão a minha volta porque eu sei que em algum momento minhas boas ações terão resultado.

É verdade que 2011 não foi de todo ruim. Passei por momentos realmente muito bons e inesquecíveis, ao lado das pessoas mais maravilhosas e importantes do mundo para mim. É verdade que dei muitas risadas, que chorei de rir, que fui feliz e ganhei muitas coisas. Não posso ser tão estúpida a ponto de não enxergar as coisas boas que aconteceram em 2011… E realmente não sou! Reconheço que alguns momentos de 2011 deveriam durar para sempre, num loop eterno de sentimentos e sensações. E estes momentos estarão sempre guardados em minha memória, me fazendo sorrir a cada vez que eu pensar neles.

Não acho que 2012 vai ser diferente simplesmente porque é um ano novo que nasceu. A verdade é que 2012 só vai ser diferente se cada pessoa agir de modo a colher bons frutos, se corrigir seus erros, se aprender a ser humilde e, principalmente, se aprender a amar a si mesma – sem ficar arrogante demais – e amar ao seu próximo – sem esquecer de si mesma. É preciso equilíbrio, em todas as coisas, mas, principalmente, é preciso equilíbrio no amor! Não se ame demais pois você corre o risco de não enxergar as pessoas que estão ao seu lado. Não se ame de menos pois quem não se ama não é capaz de demonstrar amor a outras pessoas…

Acho mesmo que 2012 pode ser diferente porque todos nós temos a capacidade de renovar nossas ideias, criar novos planos, lutar a cada dia por uma nova esperança. E é por isso que as pessoas ficam tão eufóricas nesta época do ano, não porque acham que um novo ano vai ser diferente, mas porque sabem que o começo de cada ano é sempre uma oportunidade para fazermos uma avaliação real sobre os erros que cometemos e traçar novos planos para viver, alimentando o que o ser humano tem de mais bonito dentro de si: a esperança!

Então, mexa-se! Comodismo é doença. Seja criativo! Se algo deu errado ou seus planos foram mudados, não deixe que isso arruíne sua vida. Crie algo novo, tente outras ideias…

Lute, não apenas porque um ano novo começou, mas sim porque você merece ser feliz durante sua vida inteira, não importa o que lhe aconteça nem quantas vezes você tenha que mudar seu rumo!

 

É isso aí!!

Priscilla

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s